Arquivo da categoria: Uncategorized

SPAventura – Ibiúna SP

Localizado a 75 km da capital paulista, no município de Ibiúna, o SPAventura é o destino para quem pretende deixar para trás a vida na cidade, e imergir de corpo e alma num refúgio natural. Situado dentro dos limites da Fazenda Morros Verdes, um paraíso verde de 260 hectares, dos quais 60% são de Mata Atlântica preservada, o empreendimento foi construído com base na sustentabilidade visando preservar o meio ambiente.

spaventura

Para além da sustentabilidade, o SPAventura é um lugar que reúne rusticidade e sofisticação. Os ambientes inspiram paz e serenidade, nada mais relaxante do que sentir-se confortável junto à natureza, e nada mais estimulante do que praticar atividades de aventura de forma segura, em meio às vistas exuberantes da fazenda.  Com um “cardápio” de atividades para tirar sua família da preguiça, adultos e crianças são convidados a participar da programação diária, e desfrutar de todas as atividades.

A tirolesa de 600m de comprimento, por 260m de altura, é uma das atividades mais procuradas pelos hóspedes. Uma trilha entre a Mata Atlântica leva o aventureiro até a base da tirolesa. Dadas às instruções e equipados com segurança, só nos resta desfrutar da liberdade de “voar”, e compartilhar da vista sensacional do vale por onde corre um dos riachos da fazenda. Uma sensação única, e inesquecível!

 

20141018_115402

DSCN1310

As pedaladas também são populares no SPAventura, há trilhas para mountain bike, ou você pode simplesmente pedalar entre os atrativos do hotel.

DSCN1343

Depois de suar a camisa em meio à natureza da mata Atlântica, as atividades no lago para refrescar! Remar bordo de caiaques, no stand up paddle, ou se equilibrar no Slackline, são as próximas aventuras.

DSCN1326

DSCN1334

DSCN1329

Com um menu baseado na alimentação orgânica, o cardápio elaborado pelo chef, é servido no charmoso ambiente do Espaço Gourmet.

espaco_gourmet_5

De volta às atividades, é hora de testar sua habilidade para acertar o alvo, mais um desafio que agrada bastante adultos e crianças. Usar o arco e flecha parece fácil, mas com certeza serão várias tentativas…

DSCN1354

 

Com muitas trilhas demarcadas, caminhar pela mata é um programão. Uma das trilhas beira um riacho e chega a uma pequena cachoeira, que proporciona um gostoso banho!

DSCN1302

DSCN1303

Um mergulho na piscina, ou deixar a preguiça te levar sentado na varanda do casarão, são as opções para um relax gostoso.

DSCN1324

 

DSCN1321

Na hora de dormir, muito conforto! Os chalés foram desenvolvidos com arquitetura e tecnologias sustentáveis, como a construção verde, reaproveitamento de água da chuva, e o aquecimento solar, que valeu ao hotel a certificação do Instituto Ideal, o Selo Solar. A filosofia do hotel prevê na energia renovável, uma aliada na proteção à natureza.

Chalé externo 2

Chalé interno

Segundo os proprietários do empreendimento, “O SPAventura é um versátil complexo que une conforto, elegância e sustentabilidade, esporte, saúde e lazer, produção rural, preservação florestal, e educação ambiental. Nossa missão é integrar pessoas e meio ambiente de forma diversificada e transformadora. O SPAventura é ideal para a prática de esportes de aventura ao ar livre, ou simplesmente descansar em no belíssimo cenário natural, percorrer trilhas, embrenhar-se na mata, tomar banho de cachoeira, e observar a fauna e flora silvestres.”

O hotel, que no ano passado recebia hóspedes apenas uma vez por mês, a partir de 2015 está aberto para hospedagem todos os fins de semana.

20141018_111413

A estada no SPAventura promove momentos intensos e divertidos para todas as idades, um lugar perfeito para um fim de semana especial! #ficadica #ecoturismo #aventura #natureza #viagem #familia #roteiroespecial #familiamuller

 Serviço

SPAventura

Estr. Municipal SP-250 – Verava, 17
Fazenda Morros Verdes – Bairro Terra Boa –  Ibiúna | São Paulo

Informações e reservas
Av. Braz Leme, 1399 – Santana – São Paulo | São Paulo
Tel: (11) 2208-8229
E-mail: reservas@haberhotelaria.com.br

Pacotes para Férias e feriados:
http://www.spaventura.com.br/pacotes

Website: http://www.spaventura.com.br/

Anúncios

Pegar a estrada com seu carro.

Falta pouco para o final do ano, hora de começar a programar sua viagem de férias com a família. Já escolheu seu destino? Vamos iniciar hoje uma série de posts com dicas para que você possa viajar com tranquilidade e segurança.

Viagem de automóvel

Caso pretenda pegar a estrada, não deixe de fazer uma boa revisão e manutenção no carro usado para viajar.

viajar de carro

Em primeiro lugar examine a documentação do seu veículo, é importante que esteja tudo em dia, inclusive a validade da sua carteira de habilitação.

Verifique: Antes de tudo o básico: confira o nível so óleo, da água, calibre os pneus, inclusive o estepe, verifique freios, pastilhas, teste os faróis, veja onde encontram-se ferramentas como: triângulo, macaco e chave de
roda enfim, passe o carro por um check up completo para não ter surpresas durante a viagem.

Mesmo que seu seja carro novo, não deixe de tomar alguns cuidados importantes como levar também uma chave reserva, nunca a guardando junto com a chave original, tampouco dentro do carro. Um bom seguro,
que presta assistência também nas estradas, é uma boa opção. 
Procure viajar a luz do dia. Para diminuir a ansiedade das crianças (e adolescentes), tornar a viagem menos cansativa e fugir de perguntas
como: “- Tá chegando?”. Aproveite a oportunidade de conversar sobre assuntos de interesse dos seus filhos. Envolva-os na programação das atividades e passeios que farão no destino, invente brincadeiras como:
formar figuras com as nuvens, inventar histórias terminadas pelo outro, dizer nomes de países, cidades, frutas, animais que comecem por uma determinada letra, enfim interaja com a família.

Você sentir-se-á tão envolvido que às vezes é preciso ficar bem atento
para não se perder na estrada, como já aconteceu conosco!

viagem de carro

Pirenópolis – GO

Pirenópolis

Tombada como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Pirenópolis conserva um ar antigo e bucólico, com ladeiras e calçadas de pedras quartzíticas. À beira do rio das Almas, despontam casarões do século XVIII, igrejas e museus, emoldurados pela beleza natural do Cerrado goiano. Conhecer a cidade caminhando é mais do que um prazer: o city tour passa pelos principais prédios históricos, como o Cine Pirineus, Teatro Pirenópolis, a Igreja do Bonfim, o Museu do Divino, antiga câmara e cadeia, e pela Igreja Matriz Nossa Sra. do Rosário, a mais antiga do estado, datada de 1728 e considerada a maior construção em taipa de pilão do mundo.

Cine PirineusCine Pirineus – Foto: Família Müller

Igreja Matriz Nossa Sra. do RosárioIgreja Matriz Nossa Sra. do Rosário – Foto: Família Müller

Museu do DivinoMuseu do Divino – Foto: Família Müller

Museu do DivinoMuseu do Divino – Foto: Família Müller

À noite, a rua do Lazer é o ponto de encontro onde lojas, bares e restaurantes instalados em casas coloniais espalham mesas na calçada e se acendem as antigas luminárias, criando um ambiente belo e aconchegante.

Rua do LazerRua do Lazer – Foto: Família Müller

Parque Estadual dos Pirineus

Criado com o objetivo de preservar a fauna e a flora do Cerrado e os mananciais, como as nascentes do rio das Almas, o parque é o principal destino dos que praticam o ecoturismo. O ideal é contratar um guia para acompanhar as caminhadas permitidas dentro do parque. As principais trilhas seguem entre a vegetação que nasce sobre rochas e levam a mirantes. Contemplar o pôr do sol tingindo o Cerrado de tons vermelhos e alaranjados no cume do pico dos Pirineus, ponto mais alto da região, com 1.385 metros de altitude, a vista, vale qualquer esforço!

Parque Estadual dos Pirineus - Morro CabeludoParque Estadual dos Pirineus – Morro Cabeludo – Foto: Família Müller

Parque Estadual dos Pirineus - MiranteParque Estadual dos Pirineus – Mirante – Foto: Família Müller

Cume do Pico dos PirineusCume do Pico dos Pirineus – Foto: Família Müller

Cume do Pico dos PirineusCume do Pico dos Pirineus – Foto: Família Müller

RPPN Vargem Grande

Localizada a 11 km da cidade, a Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Vargem Grande preserva 390 hectares do Cerrado na zona da serra dos Pireneus. A fazenda é aberta à visitação controlada. Duas trilhas bem demarcadas levam a cachoeiras. O acesso à cachoeira Santa Maria, com 8 metros de queda, é plano e calçado, uma caminhada fácil de 500 metros, permitindo que crianças e idosos cheguem com facilidade até ela. Já para apreciar os 15 metros de queda da cachoeira do Lázaro são 1.300 metros de caminhada de nível médio, com subidas e partes sem calçamento.
Acesso pela estrada para o Parque dos Pirineus

RPPN Vargem GrandeRPPN Vargem Grande – Foto: Família Müller

Cachoeira Santa MariaCachoeira Santa Maria – Foto: Família Müller

Cachoeira do LázaroCachoeira do Lázaro – Foto: Família Müller

Cachoeira do Abade

Localizada a 12 km do centro, de propriedade da Fazenda Cabaçais, a cachoeira é aberta ao público, mediante o pagamento de uma taxa de preservação. Emoldurada pela mata verde do Cerrado, a queda livre de 22 metros desliza para uma grande piscina natural, rodeada por uma praia. A frequência é bem familiar, local é adequado para quem está com crianças.
Acesso pela estrada para o Parque dos Pireneus

Cachoeira do AbadeCachoeira do Abade – Foto: Família Müller

Fazenda Babilônia

Antigo engenho de cana-de-açúcar construído em fins do século XVIII, hoje tombado como Patrimônio Nacional. Além da beleza da construção preservada, com destaque para a capela, original da época, o melhor dessa visita é ouvir as histórias contadas pela sra. Telma Lopes enquanto passeia pela fazenda em companhia dos turistas, terminando a visita com um farto café da manhã goiano, inspirado nos que ela própria consumia em sua infância na fazenda. São mais de 40 iguarias que reúnem em uma só refeição queijos, biscoitos, bolos, pamonhas e pães ao lado de linguiça, carne assada, galinha caipira, paçoca de carne-seca, entre outras delícias, acompanhadas por leite, café e sucos de frutas da região.
Acesso pela GO-431, km 3
www.fazendababilonia.tur.br

Fazenda BabilôniaFazenda Babilônia – Foto: Família Müller

Fazenda BabilôniaFazenda Babilônia – Foto: Família Müller

Santuário de Vida Silvestre Vagafogo

Reserva Particular do Patrimônio Natural, criada para promover a educação ambiental, o ecoturismo e a produção sustentável de alimentos, o santuário conta com várias atividades na natureza, entre elas a trilha interpretativa que margeia o rio Vagafogo. O percurso, que tem média de 1.500 metros entre árvores centenárias da mata ciliar e estratégicos pontos de descanso para observação de pássaros e outros animais, passa por uma piscina natural de água límpida onde são permitidos o banho e uma relaxante massagem na pequena cachoeira. Além da trilha, o santuário oferece para visitantes de todas as idades arvorismo e rapel, biblioteca, quiosque com redes para descanso e o brunch, uma verdadeira experiência gastronômica com cerca de 45 itens produzidos na própria fazenda com frutos do Cerrado e produtos locais.
Rua do Frota, 888
www.vagafogo.com.br

Sr. Evandro Ayer, proprietário e as delícias regionais produzidas na fazendaSr. Evandro Ayer, proprietário e as delícias regionais produzidas na fazenda – Foto: Família Müller

Museu Rodas do Tempo

Com o desejo de resgatar a história de veículos de duas rodas, o acervo do Museu Rodas do Tempo é composto de motocicletas, bicicletas motorizadas, scooters, veículos de mais de duas rodas com motorização de motocicleta e bicicletas, bem como algumas curiosidades mecânicas e uma coleção de brinquedos como minimotorcicletas, carrinhos, aviões e trenzinhos antigos. A proposta é oferecer ao visitante a oportunidade de conhecer e admirar a evolução tecnológica da roda. O acervo do museu está em constante evolução com frequente inclusão de novos itens.
Avenida Prefeito Luiz Gonzaga Jayme, 172
www.rodasdotempo.com.br

Museu Rodas do tempoMuseu Rodas do tempo – Foto: Família Müller


Festa do Divino Espírito Santo

Maior manifestação da cultura no estado, a tradicional Festa do Divino ocorre de forma muito especial em Pirenópolis. Ela é considerada a mais bonita do Brasil, por esse motivo atrai muitos turistas na época em que é realizada. A festa folclórica dura três dias e acontece um mês e meio depois da Páscoa. Na programação, a Cavalhada é o destaque, uma emocionante encenação em que cavaleiros medievais revivem lutas entre mouros e cristãos. A festa do Divino é marcada também pela coroação do imperador, a procissão de bandeiras, repique dos sinos e shows de fogos de artifício. Em todos os dias de festa, os mascarados, que se fantasiam com coloridas cabeças de boi e de outros animais, ou cobrindo o rosto com máscaras, divertem moradores e turistas. No Museu do Divino Espírito Santo, sediado na antiga Casa de Câmara e Cadeia (avenida Beira Rio s/n – Centro Histórico), o turista conhece toda a história da festa por meio de vídeos, objetos, fantasias e apetrechos utilizados durante o evento.


Gastronomia

Pirenópolis é por muitos considerada um dos principais polos gastronômicos de Goiás. Sendo uma das primeiras cidades goianas, a culinária local é representada nos pratos típicos como o arroz com pequi, a pamonha, o empadão, a guariroba, a paçoca de pilão, o bode, as quitandas e os doces. Com a influência do turismo, a cidade conta com restaurantes que servem pratos que combinam ingredientes regionais com a sofisticação da gastronomia internacional, bem como com as culinárias mineira, baiana, carioca e nordestina. Nossas sugestões:

Maiale Empório e Restaurante
Num ambiente requintado e aconchegante, com excelente atendimento, tem a culinária baseada em massas artesanais e ingredientes regionais. Não deixe de acompanhar sua refeição com um vinho produzido pela vinícola dos Pirineus: Bandeiras – uva barbera – e Intrépido – uva syrah
Rua do Rosário, 34

Empório do Cerrado
Fazendo jus ao nome, seu cardápio é composto por pratos com os frutos do Cerrado e a sofisticação da gastronomia contemporânea. Em homenagem à Festa do Divino, a chefe da casa criou o prato Imperador de Verde e Amarelo – lascas de filé grelhado em caldo de cajuzinho do mato com charutos de folha de taioba com recheio de risoto de açafrão.
Rua do Rosário, 21
www.emporiodocerrado.com.br

Tempero do Rosário
Para uma refeição rápida, caseira e muito saborosa.
Praça da Matriz, 27

Restaurante Dona Cida
Serve pratos da culinária regional com destaque para o arroz de pequi, a paçoca de pilão e a galinha cabidela.
Rua do Carmo, 22 A

Hospedagem

Pousada dos Pirineus
Uma das melhores opções de hospedagem em Pirenópolis. As suítes são espaçosas, charmosas e muito confortáveis. O café da manhã é farto e a infraestrutura de lazer, bem completa.
Rua do Carmo, 21 – Bairro do Carmo
www.pousadadospireneus.com.br

Agência receptiva

Tilapatur
Praça da Matriz, 1 – Centro
www.tilapatur.com.br

O Centro de Atendimento ao Turista (CAT) também indica guias credenciados para os passeios. Nós contratamos o guia Cristiano da Costa.
Rua do Bonfim, 14 – Centro

Para mais informações sobre hospedagem, restaurantes e serviços, consulte:
www.pirenopolis.com/pt
www.pirenopolis.tur.br

 

As reportagens da Família Müller te apoio da Curtlo. Visite o site e conheça toda a linha de produtos para desfrutar das atividades ao ar livre.

www.curtlo.com.br

PRAIA DO FORTE

 Capela de São Francisco de Assis

Capela de São Francisco de Assis

Distante 50 km de Salvador, a praia do Forte é destino certo de soteropolitanos e turistas especialmente nos fins de semana e feriados. As belezas naturais, com praias paradisíacas envolvidas por coqueiros e Mata Atlântica, combinadas às características rústicas de vilarejo, conferem à praia do Forte um charme especial e requintado. A rua principal é tomada pelo comércio, onde estão restaurantes, bares, cafés e lojas de artesanato, ao lado de lojas de grife que começaram a surgir recentemente. A Capela de São Francisco de Assis, ao final da rua principal, construída em 1900 por pescadores, é um dos cartões-postais.

Praia do Forte

Praia do Forte

Projeto TAMAR
Organização voltada para a preservação e o estudo das tartarugas marinhas, o Projeto Tamar tem na praia do Forte um dos seus principais centros de visitantes. Numa área total de 10 mil m2 estão tanques de mais de 600 mil litros de água salgada com exemplares da fauna marinha da região e de quatro das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil, em diferentes estágios do ciclo de vida. O diferencial desse centro de visitante é a possibilidade de interagir com os animais: pode-se alimentar as tartarugas marinhas, acariciar tubarões-lixa e arraias em horários específicos; no Submarino Amarelo, o visitante pode observar animais que habitam as profundezas do oceano – como o peixe-bruxa, tubarãozinho, caranguejos e grandes baratas do mar. Durante a temporada reprodutiva das tartarugas marinhas, é possível acompanhar o manejo dos ninhos transferidos das áreas de risco das praias para o cercado de incubação.
Avenida Farol Garcia d’Ávila, s/n
www.tamar.org.br

Projeto TamarProjeto Tamar – Foto: Família Müller

Observação de baleias-jubarte

Todos os anos, de julho a outubro, baleias-jubarte vêm para essa parte do nosso litoral para a reprodução. Uma das bases do Instituto Baleia Jubarte foi instalada em praia do Forte para o estudo desses animais. A agência Porto Mar oferece a oportunidade de avistar as baleias nessa época do ano. A atividade começa com uma palestra no instituto e segue para o mar a bordo de uma escuna. O passeio é acompanhado por um guia ambientalista.

Porto Mar Passeios Turísticos
Oferece, entre outros passeios, a possibilidade de observação das baleias-jubarte.
Rua da Aurora 1 – Centro
www.portomar.com.br

Baleia JubarteBaleia Jubarte – Foto: Família Müller

Castelo Garcia d’Ávila
O principal atrativo histórico de praia do Forte, o Castelo Garcia d’Ávila ou a Casa da Torre, foi a primeira fortificação portuguesa militar e residencial do Brasil, considerada a única construção do gênero nas Américas. O Parque Histórico e Cultural compreende as ruínas do Castelo Garcia d’Ávila, a área em seu entorno, um sítio arqueológico e um centro de visitação onde está exposta uma maquete que representa a edificação original. A visita deve ser acompanhada de um guia (a nossa foi acompanhada por um da Bahia Adventure), para que o turista possa conhecer a história que envolve esse monumento histórico-cultural.

Castelo Garcia d’ÁvilaCastelo Garcia d’Ávila – Foto: Família Müller

Reserva da Sapiranga
A reserva é formada por 600 hectares de Mata Atlântica com trilhas demarcadas para caminhada. Dentro da reserva está a base do Projeto Floresta Sustentável (www.florestasustentavel.org.br), que tem como objetivo cultivar e replantar árvores que eram e são nativas da Mata Atlântica e a educação ambiental em diversas formas. A agência Bahia Adventure oferece roteiros que, saindo do centro da praia do Forte para a reserva, inclui o passeio em canoas motorizadas que sobem o rio Pojuca para observação da fauna e flora – o que inclui o manguezal –, seguindo até o mar, e volta até a Oka Porang, base de atividades da agência, para a prática de caminhadas, atividades de aventura com circuito de tirolesas, stand up padle e caiaque.
Bahia Adventure
Oferece, entre outros roteiros, o que inclui a visita ao Castelo Garcia d’Ávila e as atividades dentro da reserva da Sapiranga.
Rua ACM, s/n – Centro
www.bahiaadventure.com

Reserva da SapirangaReserva da Sapiranga – Foto: Família Müller
Tirolesa no Oka PorangTirolesa no Oka Porang – Foto: Família Müller

Gastronomia

São muitas as opções de restaurantes na praia do Forte. A maior parte deles serve peixes e frutos do mar, com ingredientes da culinária baiana. Seguem algumas sugestões:

Restaurante Sabor da Vila – Restaurante do Zequinha
A culinária baiana com um toque sofisticado e ingredientes especiais.
Av. ACM, s/n
www.sabordavila.com

Restaurante Casa da Nati
A moqueca baiana é uma das boas pedidas.
Avenida ACM, s/n
www.casadanati.com.br

Restaurante Canteiro do Mar
Experimente a maxixada de camarão ao leite de licuri, criação da casa e muito bom!
Praça dos Artistas, s/nº

Vila Gourmet – Sobrado da Vila
Serve pratos da cozinha contemporânea nacional e internacional, além da culinária baiana.
Avenida ACM, s/n
www.sobradodavila.com.br

Hospedagem

Hotel Via do Corais
Bem localizado, a poucas quadras do centro, tem quartos confortáveis, amplos e bem decorados.
Rua do Dourado, 143
www.viadoscorais.com.br

Iberostar Praia Forte
Resort cinco-estrelas com serviço “all incluse”, de frente para a praia. Tem amplos e confortáveis apartamentos e infraestrutura de lazer impecável.
Rodovia BA-99 km 56
www.iberostar.com/pt/hoteis/salvador-de-bahia/iberostar-praia-do-forte


Para outras opções de hospedagem, agências, restaurantes e passeios em praia do Forte, acesse o site:

http://praiadoforte.org.br

www.facebook.com/praiadoforteoficial

 

As reportagens da Família Müller te apoio da Curtlo. Visite o site e conheça toda a linha de produtos para desfrutar das atividades ao ar livre.

www.curtlo.com.br

Cancun – México

O mar turquesa de Cancun

O mar turquesa de Cancún

A primeira vista pode parecer que Cancún resume-se às lindas praias de areias brancas e mar turquesa, onde o programa é aproveitar o “all incluse” que as grandes redes hoteleiras oferecem para desfrutar do dia na praia, e à noite nas baladas noturnas. Com esta ideia, acreditamos serem 6 noites suficientes para explorar Cancún. Engano nosso!

Mesmo com o intenso movimento turístico, Cancún tem conseguido preservar seu patrimônio natural e a sua cultura ancestral, representada nas ruínas das cidades Maias fundadas no período pré-colombiano, e que resistiram à invasão espanhola. O estilo americano de entretenimento chegou por aqui e as empresas aproveitaram a oportunidade de unir atributos fundamentais para o sucesso destes empreendimentos: envolver o turista com a natureza e a cultura, oferecendo uma legítima experiência. A maior parte destas experiências está ligada à cultura Maia. A rica história desta civilização e o misticismo permeado por rituais e sacrifícios é bem explorado pelo turismo em parques temáticos, ou em passeios oferecidos por agências que combinam atividades na natureza à visita a uma das ruínas.

Estudando os passeios, as experiências das quais gostaríamos de desfrutar, as praias que visitaríamos, os mergulhos, as ruínas, etc, etc, etc, logo percebemos que as 6 noites e 7 dias que ficaríamos em Cancún, seria pouco, e que teríamos que escolher entre as opções de passeios; o problema era que todas eram tentadoras! Começamos pelo principal motivo que nos levou à Cancun nesta época do ano (viajamos em final de agosto): o mergulho com o Tubarão Baleia.

 

Tubarão Baleia

Tubarão Baleia

De março a setembro, estes gigantes chegam ao mar de Cancún para alimentar-se da grande quantidade de plâncton. O passeio começa na sede da agência Solo Buceo – Only Diving, que acumula anos de experiência neste, e em outros tipos de mergulho que oferece aos turistas. O barco sai do píer que fica de frente para a agência, e acompanhados por um guia, o capitão, uma fotógrafa, e dois turistas, partimos para a Expedição Tubarão Baleia. Logo no início você é informado da possibilidade de não encontrar o animal : “La naturaleza es impredecible ….” (a natureza é imprevisível…).  O tempo foi passando e a navegação já durava quase 2 horas, começamos a perder a esperança de ver o tubarão. Segundo o guia, a possibilidade de encontrar o tubarão naquele momento seria de 4 em 10 por conta do mar agitado. Frustradas as expectativas, começamos a navegação de volta ao píer. No caminho, o capitão avistou um cardume de arraias manta, aquelas enormes, mas que não têm o ferrão. Nadar com estes animais já era o máximo! Valeu o passeio e as horas de navegação. As arraias são realmente grandes. Parecem bater asas no mar. Elas não se incomodam com nossa presença e nadam ao nosso redor, bem perto mesmo. Lindas!

Arraia Manta

Arraia Manta

Arraia Manta

Arraia Manta

 

Arraia Manta

Arraia Manta

Eis que quando estávamos nos preparando para voltar ao barco, ouvimos a fotógrafa gritar: “El tiburón, El tiburón, aqui…” em menos de um minuto ele passava por nós. Enorme. Se já achamos as arraias grandes, ficaram pequenas perto do tubarão. Apesar do tamanho, ele nada devagar, como se flutuasse pelo oceano, leve. Ainda assim, para nós, alcançá-lo torna-se uma tarefa difícil, mesmo com as nadadeiras. Devido à sua natureza dócil e pacífica, não há risco em nadar bem perto destes magníficos peixes. Eles ficam bem próximos à superfície, sendo necessárias apenas máscaras e snorkels para este mergulho. Enquanto tentava fotografar um tubarão de frente, quase fui atropelada por outro. A hora que me virei fiquei cara a cara com o outro tubarão. Um susto! Mas ele nem ligou para mim, desviou lentamente e logo foi abrindo um bocão para coletar o plâncton. Acabei ficando ao seu lado por alguns segundos, o que me rendeu algumas fotos. Os três tubarões e as arraias que avistamos, ficaram conosco durante pelo menos uma meia hora de mergulho, o que nos pareceu poucos minutos, a alegria foi tanta que nem sentimos o tempo passar.

Tubarão Baleia

Tubarão Baleia

 

Tubarão Baleia

Tubarão Baleia

A agência Solo Buceo – Only diving – oferece várias opções de mergulho aos turistas. Em algumas épocas do ano há mergulhos específicos como este com tubarão baleia. website:  www.solobuceo.com

Na volta o barco passa bem perto de Isla Mujeres, que fica por volta de 45 min de navegação de Cancún. Refúgio de piratas no passado, a pequena ilha de pescadores tornou-se um dos principais destinos de quem visita Cancún. Ficamos por ali. Despedimo-nos do grupo, descemos no mar e caminhamos pela água rasa até a praia. A praia é agitada com muitos restaurantes, você pode optar entre sentar-se às mesas dos mesmos, ou alugar uma espreguiçadeira a beira da água. O mar de um azul ainda mais turquesa, é cristalino e morno. Quem precisa de mais? O lado urbano da ilha é pequeno e charmoso. A maior parte dos turistas aluga um carro de golf para circular entre o centro e as praias, não só pela distância, mas pela curtição de dirigir um carrinho destes. A rua principal conta com restaurantes, cafés, sorveterias e muitas lojinhas. Os catamarãs tradicionais partem para Cancún de hora em hora, mas também há catamarãs das agências onde os passeios são comprados com hora certa de saída e retorno.

 

Isla Mujeres - praia

Isla Mujeres – praia

 

Isla Mujeres - vila

Isla Mujeres – vila

 

Praia de areias brancas o mar turquesa, margueritas e papo pro ar…

Praias não faltam em Cancún, as principais concentram-se na chamada “Zona Hoteleira”, uma ilha que abriga a maior parte da rede hotéis, separada do continente pela lagoa Nichupté e ligada a ele por duas pontes. As praias são públicas, mas a maior parte dos acessos é passando por dentro dos hotéis, uma tarefa um tanto difícil se você não estiver hospedado. Há algumas pequenas entradas por onde é possível acessar a praia, mas esteja preparado para levar seu lanche, sua bebida, seu guarda-sol e sua cadeira, pois a estrutura dos hotéis atende somente aos hóspedes. As praias são realmente belas! Areia branca, mar turquesa e transparente. Parecem cenários montados para encher os olhos, e a alma de quem está ali. Mesmo com o tempo apertado reservamos um período do dia para aproveitar a praia e o “all incluse”. Difícil é se manter fora da água. Com o sol quente e o dia abafado, o mar é mesmo a melhor opção. Da água, direto para as espreguiçadeiras que ficam debaixo de cabanas espalhadas pela areia. Logo chega o garçom com a bebida mais popular do México: Margueritas. Neste momento você tem a certeza de ter feito a escolha certa quando contratou o hotel.

 

Zona Hoteleira - Praia

Zona Hoteleira – Praia

Zona Hoteleira

Zona Hoteleira

Playa del Carmen também não pode faltar no roteiro. Este charmoso vilarejo rouba cada vez mais a cena turística da Riviera Maia. A praia é tão bonita quanto às de Cancun, com a vantagem do acesso: público! Há várias entradas para a praia, mas procure seguir em direção oposta à saída das embarcações, pois a qualidade da água é melhor.  Para chegar à Playa del Carmen, a partir de Cancún, leva por volta de uma hora e meia. Você pode alugar um carro e chegar mais rápido, indo e voltando a hora que quiser, ou pode pegar um dos ônibus normais da linha R1, e descer no centro, mais precisamente na ADO. Dalí saem os ônibus, bem confortáveis, de 15 em 15 min para Playa Del Carmen. O dia deve começar na praia. Almoce um bom pescado e depois das 4h o movimento começa no centro, agora o programa é caminhar ao longo da 5ª. Avenida, onde está tudo! Lojas, cafés, bares, restaurantes, etc.

 

Playa del Carmen

Playa del Carmen

Playa del Carmen - 5a. Avenida

Playa del Carmen – 5a. Avenida

De Playa Del Carmen também partem os catamarãs para Cozumel. Não ir para lá estava fora de cogitação, queríamos muito conhecer a ilha. Antes de partir para Cozumel assegure-se de ter dinheiro em espécie, a maior parte dos estabelecimentos e serviços não aceitam nenhum tipo de cartão devido à dificuldade de comunicação para as transações. O dia começa cedo. Os catamarãs partem a partir das 8h e o melhor é seguir logo no primeiro. Se não der, pelo menos no segundo. Esqueça tudo que lhe oferecem no barco e no porto, ao chegar caminhe pelas ruas transversais e paralelas à rua principal e procure por uma locadora de veículos que lhe agrade, há inúmeras opções com preços bem diferentes. Nós utilizamos a Shark Rider Scooter & Cars (5ª. Avenida entre Juarez Y 2 Norte Main Plaza), pagamos 35 dólares por um Atos da Hyundai completo, e em bom estado. Acabou sendo melhor escolha do que uma scooter ou um buggy, pois de repente o tempo fechou e caiu uma chuva forte, seguida por um céu azul e sol quente, que bom que tínhamos teto e ar condicionado!

Cozumel

Cozumel

Como o tempo fechou, pela manhã optamos por conhecer o sítio arqueológico de San Gervásio. Seria nossa primeira experiência Maia. Para chegar às ruínas paga-se duas taxas: uma para o município e outra para o governo federal. O sítio arqueológico é composto de palácios, casas, edifícios públicos e templos, Cozumel, na época Maia era um importante centro religioso e lar de Ixchel, deusa da fertilidade. Você deve contratar um guia para conhecer a história, a única maneira de entender o que significam as ruínas e o poder dos rituais e sacrifícios Maias.

 

Cozumel - Ruínas de San Gervásio

Cozumel – Ruínas de San Gervásio

Saindo das ruínas seguimos pela estrada com intenção de dar a volta na ilha e conhecer as praias. Depois de rodarmos pela estrada principal por praias desertas, encontramos a primeira praia mais agitada em Chen-rio. A maré baixa cria diversas piscinas naturais, neste dia, cheias de moradores e turistas. Nesta parada também há alguns restaurantes que oferecem frutos do mar em fartas porções. Cozumel é famosa pelo mergulho. No mar, aquela que é considerada uma das maiores barreiras de corais do mundo, com uma visibilidade invejável. Segundo as informações que recebemos na locadora, os melhores locais para o snorkelling seriam: Palancar, Playa Corona e Money-bar. Optamos por mergulhar em Money-bar, que diziam ser o melhor ponto para o mergulho livre. Não podíamos imaginar que os corais estavam tão perto da costa, mal colocamos a cabeça na água e cardumes de peixes coloridos já estavam à nossa volta. Já fizemos muitos mergulhos, mas difícil não dizer que este com certeza foi um dos melhores mergulhos em coral que já fizemos. Espécies que nunca vimos antes, corais imensos, coloridos, peixes de todas as formas e tamanhos, arraias rajadas e diferentes. A visibilidade chegava a uns 50 m. Um mundo marinho fascinante e, principalmente vivo! Desnecessário dizer que esquecemos da nossa vida dentro d’água. Quando nos demos conta, tínhamos passado mais de duas horas e meia mergulhando. Valeu cada segundo! Ficamos tão satisfeitos com o snorkelling que acabamos por concordar que talvez fosse dispensável contratar o mergulho com cilindro. Será?

 

Cozumel - Praia Chen-rio

Cozumel – Praia Chen-rio

 

Mergulho livre

Mergulho livre nos corais

Cozumel - Mergulho livre - Arraia

Cozumel – Mergulho livre – Arraia


Ts’onot , os cenotes Maias

 

Diz à lenda que os cenotes foram formados por que a mãe Terra pretendendo esconder sua bela filha Água de um amor proibido, abriu buracos no chão e escondeu sua filha dentro deles. Com toda sua beleza e força, Água esculpiu a terra, caminhando por vários locais em busca do seu amado, formando assim, os cenotes. Outros acreditam que os cenotes foram formados por meteoros que caíram na terra há milhares de anos, formando cavernas, grutas e cânions, por onde corre uma água pura e cristalina. Os Maias consideravam o “ts’onot” uma espécie de portal de comunicação com os Deuses do Inframundo, envolvendo os cenotes em rituais sagrados e sacrifícios.  Explorados pelo turismo são um dos grandes atrativos em toda a Península de Yucatán. Há muitos cenotes em Cancún, nós optamos por contratar a expedição aos Xenotes Oasis Maya, pois teríamos a oportunidade de conhecer quatro tipos de cenotes diferentes. O dia começa em K’áak ‘, um cenote aberto onde a água corre entre paredes verticais em meio a uma espécie de cânion. Antes de iniciar o passeio, participamos de uma espécie de ritual no idioma maia, pedindo a permissão de K’áak ‘, para que tudo corra bem durante a visita. Os rituais Maias são levados a sério, e todos repetimos as palavras de permissão com respeito. Este ritual se repetiu durante todas as visitas, cada vez que mudávamos de cenote. Para desfrutar das águas verdes e cristalinas de K’áak ‘, nos jogamos no ar por uma tirolesa que leva direto à água. Com coletes salva-vidas, ou boias, fomos levados a flutuar pela correnteza.

Xenote Oasis Maya -Tirolesa no cenote K'áak

Xenote Oasis Maya -Tirolesa no cenote K’áak

Xenote Oasis Maya -Flutuação no cenote K'áak

Xenote Oasis Maya -Flutuação no cenote K’áak

Xenote Oasis Maya -Flutuação no cenote K'áak

Xenote Oasis Maya -Flutuação no cenote K’áak

A segunda parte desta aventura é saltar de cima do cânion para a água. É um momento único, e não pretendemos dizer aqui como você vai se sentir ao chegar lá em cima e olhar para a água, melhor deixar que você viva a sua experiência! 

Xenote Oasis Maya -Mergulho no cenote K'áak

Xenote Oasis Maya -Mergulho no cenote K’áak

Ha ‘ é o cenote dedicado à água. Aqui usamos máscara e snorkel para observar a fauna e a flora submersa que formam cenários compostos de jardins subaquáticos, cercados por formações rochosas de uma caverna.  Saindo da caverna, a próxima exploração se dá a bordo de caiaques, numa remada pelo cânion até o final do cenote.

Xenote Oasis Maya -Snorkelling no cenote Ha'

Xenote Oasis Maya -Snorkelling no cenote Ha’

Xenote Oasis Maya -Snorkelling no cenote Ha '

Xenote Oasis Maya -Snorkelling no cenote Ha ‘

Xenote Oasis Maya - Caiaque no cenote Ha '

Xenote Oasis Maya – Caiaque no cenote Ha ‘

Xenote Oasis Maya - Caiaque no cenote Ha '

Xenote Oasis Maya – Caiaque no cenote Ha ‘

Nesta parada, antes de seguir para o terceiro cenote é servido um farto pique-nique em meio à floresta.  O cenote mais antigo, totalmente aberto, é o dedicado a Iik ‘, o vento. Em meio à selva está uma tirolesa que atravessa o cenote. Há duas opções para deslizar sobre o cabo: segurando pelas mãos, ou sentado numa espécie de faixa, ambas levam para dentro da água. Você decide por quanto tempo deseja sentir o vento no rosto até se soltar e se jogar na água do cenote.

Xenote Oasis Maya - tirolesa no cenote  Iik ‘,

Xenote Oasis Maya – tirolesa no cenote Iik ‘,

Considerado um cenote jovem, por ser semiaberto, Lu’um, é o cenote Terra. Para chegar às suas bem guardadas águas azuis turquesa, você desce por um rapel guiado. A água gelada faz com que por alguns segundos você esqueça a adrenalina do rapel. Depois, esquece a água fria para se deliciar com a beleza do cenote, emociona! Em seguida, você volta à realidade quando é convidado a pular de uns 8m de altura, de uma espécie de trampolim. Neste momento você imagina como seriam os rituais que aconteciam nos cenotes. Outra daquelas experiências que vamos deixar para que você avalie…

 

Xenote Oasis Maya - Rapel para o cenote

Xenote Oasis Maya – Rapel para o cenote

 

Xenote Oasis Maya  - A beleza do cenote Lu’um

Xenote Oasis Maya – A beleza do cenote Lu’um

A Xcaret Experiencias oferece além da aventura Xenotes Oasis Maya, expedições para os parques Xcaret, Xel-Há, Xplor eentre outros passeios. website:  http://en.xcaretexperiencias.com/

 

The Original Coba Maya Encounter

Em Cancún estão três sítios arqueológicos de grande valor histórico, o maior deles, Chichén Itza foi escolhido como uma das novas sete maravilhas do mundo. Estima-se que tenha sido fundada por volta dos anos 435 e 455 e funcionou como centro religioso, político e econômico. A pirâmide de Kukulkan foi o mais grandioso de todos os templos da civilização maia. Chichén Itza  é um dos pontos turísticos mais visitados do México. Tulum também é um recanto da cultura maia, com o diferencial de ser o único sítio arqueológico encontrado na costa. Acredita-se que além de ponto estratégico para vigiar o mar e prevenir ataques de inimigos, Tulum possa ter funcionado também como de ponto de pesca ou talvez como porto comercial. Cobá uma das maiores cidades Maias no México, guarda a maior pirâmide da península de Yucatan: Nohoch Mul. Não teríamos tempo para conhecer todas as ruínas, assim nossa opção foi por Cobá, pelo fato de que agregado à visita às ruínas, levados pela agência Alltournative, teríamos a possibilidade de incluir uma experiência de ecoturismo, cultura e aventura, numa comunidade legitimamente maia, na expedição denominada The Original Coba Maya Encounter. O tour começa pela visita à comunidade que vive isolada numa propriedade em plena floresta. Todos prezam pela preservação da natureza e da cultura maia, o que inclui manter os rituais e falar o idioma maia. Os habitantes da comunidade recebem o turista com muita alegria e hospitalidade; ficam felizes em compartilhar um pouco da sua cultura milenar conosco. Enquanto ouvimos as histórias sobre a civilização maia, caminhamos floresta adentro até um circuito de tirolesas que atravessam um lago.

Original Coba Maya Encounter - Circuito de Tirolesas

Original Coba Maya Encounter – Circuito de Tirolesas

Original Coba Maya Encounter - Circuito de Tirolesas

Original Coba Maya Encounter – Circuito de Tirolesas

Seguimos por mais uma caminhada que leva a um santuário onde somos convidados a participar de um ritual maia de purificação. Um xamã nos pede para fecharmos os olhos e enquanto vai dizendo frases no idioma maia, a guia vai traduzindo simultaneamente. As palavras são de boas vindas e invocam a nossa proteção. Contam um pouco também sobre a vida na floresta e pedem a licença para que, depois de purificados possamos entrar nas águas do cenote sagrado. O xamã envolve um a um numa fumaça cheirosa, que lembra o perfume de incensos e termina o ritual numa espécie de reza de agradecimento, de frente para um altar. Agora, todos têm a permissão para descer de rapel e alcançar as águas azuis e cristalinas do cenote.

Original Coba Maya Encounter - Ritual de purificação Maya

Original Coba Maya Encounter – Ritual de purificação Maya

Este cenote é diferente daquele que adentramos nos Xenotes Oasis Maya, ele é bem mais fechado em cima, e bem mais amplo em baixo, as águas cristalinas refletem um tom esverdeado, não azulado, e quem vê de cima, a certa hora do dia, enxerga na água o reflexo de dois pontos luminosos, os quais os maias acreditam serem os olhos do Jaguar Negro que guarda o cenote.

Original Coba Maya Encounter - Descendo de rapel para dentro do cenote sagrado

Original Coba Maya Encounter – Descendo de rapel para dentro do cenote sagrado

Mais uma curta caminhada pela floresta nos leva a uma canoa. A calmaria do lago, circundado pela floresta, as suaves remadas e o lento andar das canoas nos faz refletir sobre este legítimo Maia Encounter.

Original Coba Maya Encounter - remada pelo lago

Original Coba Maya Encounter – remada pelo lago

Depois do almoço é hora de visitar Cobá. Um frio percorre nossa espinha no momento que nos deparamos com a primeira ruína. Depois desta primeira experiência, você sente que de alguma forma consegue compartilhar um pouco desta civilização tão intrigante. A guia começa a falar sobre a vida em Cobá, dos costumes, dos rituais, conforme caminhamos pelas ruínas a imaginação viaja. Há momentos em que ela nos questiona sobre uma ou outra hipótese ainda inexplicada, ouvindo as colocações dos outros turistas notamos o quanto somos realmente envolvidos nesta experiência. Deixados pela guia, agora é opção nossa caminhar, alugar uma bike, ou contratar os serviços de um “biketaxi”, onde um motorista pedala, levando até duas pessoas numa espécie de bicicleta. Nossa opção foi pedalar até Nohoch Muul, a pirâmide mais alta na parte norte do Península de Yucatan. É permitido subir até o cume desta pirâmide de onde se avista boa parte do sítio arqueológico, o lugar perfeito para terminar o passeio.
A Alltournative oferece esta entre outras experiências turísticas como: O Maya Selva, Ek Balam + Cenote Maya e Tulum + The Maya Selva – web site: alltournative.com

 

Original Coba Maya Encounter - Ruínas de Cobá -  Pirâmide Nohoch Muul

Original Coba Maya Encounter – Ruínas de Cobá – Pirâmide Nohoch Muul

 

Original Coba Maya Encounter - Ruínas em Cobá

Original Coba Maya Encounter – Ruínas em Cobá

A alta temporada em Cancún vigora entre dezembro e meados de abril. O restante do ano é considerado baixa temporada e os preços dos hotéis no balneário diminuem um pouco, claro que se puder programar sua visita fora da alta temporada, melhor. Lembrando que a temporada de furacões em Cancún vigora mais entre setembro e outubro, não significa que passará um furacão na cidade, apenas que há chance de ocorrer, nos últimos anos não houve ocorrências de furacões.

 

Compras

A Zona Hoteleira conta com pelo menos cinco shoppings centers, La Isla shopping Village costuma ser o mais frequentado e conta com lojas das principais grifes americanas. Para souvenirs e artesanato, na zona hoteleira o melhor é o Plaza Caracol.

 

Vida Noturna

A noitada de Cancun é famosa. Há uma fartura de bares e discos localizadas na Zona Hoteleira. A maior das discotecas é a CocoBongo, com shows bem produzidos. Há bares espalhados por muitos dos centros comerciais, que servem margaritas entre outros dinks.

 

Hospedagem

Na zona Hoteleira encontram-se as grandes redes hoteleiras no regime “all incluse”, todos praticam preços semelhantes, conforme as opções de lazer e comodidade que oferecem. Há também redes de hotéis americanas, hotéis de nível médio, pousadas e hostels, que praticam preços bem menores.

 

Restaurantes

Se você pretende fugir do “all incluse”, será muito bem servido pela diversidade dos restaurantes locais. A zona hoteleira conta com restaurantes que servem desde os pratos clássicos com frutos do mar, até pratos da culinária internacional.

 

Para mais informações sobre Cancún, consulte o site:

http://cancun.travel/pt/


As reportagens da Família Müller te apoio da Curtlo. Visite o site e conheça toda a linha de produtos para desfrutar das atividades ao ar livre.

www.curtlo.com.br

Dicas para esquiadores de primeira viagem!

Esqui (7)

Esqui em Cranmore – New Hampshire – EUA

Com a chegada do inverno, e aberta à temporada de esqui, especialmente na América do Sul, nos chegam muitos e-mails de quem pretendem se aventurar na neve pela primeira vez. Se você nunca teve a oportunidade de esquiar, mas gostaria de experimentar este esporte fascinante (e viciante), aproveite nossas dicas: Ao partir para uma viagem na qual se pretende esquiar, a primeira providência, depois de fechar o pacote de esqui, é contratar um seguro específico para os dias na montanha.

Esqui (4)

Cerro Bayo em Villa la Angostura – Argentina

Reserve no mínimo dois dias para esquiar, pois apenas ao final do primeiro dia você realmente sentirá o gostinho de descer uma rampa sem cair. À primeira vista, o snowboard pode parecer mais fácil, talvez até possa ser para praticantes de surf, ou skate, mas para a maior parte das pessoas, a prática do esqui é bem mais simples. O Ronny, mesmo tendo praticado o surf por muitos anos, acabou partindo ao meio uma prancha de snowboard e optando pelo esqui no fim das contas. Esqui (6) Contrate as aulas e alugue o equipamento preferencialmente na loja da estação de esqui. Com certeza é mais caro do que alugar na cidade, mas sem dúvida, extremamente mais compensador, pois caso haja qualquer problema com seu esqui ou snowboard, será facilmente resolvido, retornar à cidade para consertá-lo, levará mais que meio dia do tempo da sua viagem. Outra vantagem é que caso pretenda esquiar por mais de um dia, os seus esquis e botas ficarão reservados para você, já devidamente balanceados e ajustados para seu peso e altura. Na América do Sul, normalmente os esquiadores não utilizam capacete, apesar de nem sempre termos utilizado este equipamento, hoje, nós recomendamos o uso, sempre!

Aula

Aula Particular

Aula (3)

Descendo as pistas com o professor

Quanto às aulas, você também deve contratar na estação de esqui,  o que facilita, e muito o aprendizado e o aproveitamento. Logo no primeiro dia, se puder, contrate uma aula particular por duas horas, e por mais uma hora na manhã do segundo dia para que o professor possa lhe acompanhar nas primeiras descidas nas pistas para iniciantes, o que lhe dará mais confiança. A aula em grupo também é uma boa opção, no entanto, você vai levar mais tempo para aprender, isto significa, menos tempo para desfrutar esquiando.

Aula (2)

Aula em grupo

Antes de iniciar sua subida às pistas pegue o mapa das mesmas, para não se perder, ou entrar numa pista inapropriada para sua habilidade. Outra dica importante é que você não deve subir às pistas da montanha sem uma prévia avaliação do professor, já vimos muitos brasileiros “perdidos” em pistas mais rápidas, sem conseguir descê-las adequadamente. Na montanha, normalmente é “cada um por si”, todos querem aproveitar o dia sem parar para ajudar outros esquiadores, assim, também fica a dica para que evite se meter em roubadas, e para manter as crianças sempre sobre sua atenção. estacao

Os meios de elevação são diferentes nas estações de esqui. Nas pistas de treino normalmente são tapetes rolantes que levam os esquiadores e snowboarders ao topo, outros são:

  • Ski-lift ou Poma (ou puxador): É o meio de elevação individual onde os esquiadores e snowboarders são puxados por uma espécie de gancho, enfiado entre as pernas, para o topo da pista, com os esquis deslizando no chão.
  • Chairlift (cadeiras): teleférico aberto, normalmente com capacidade de 2 a 6 pessoas.
  • Telecabine / Gôndola, ou bondinho: meio de elevação fechado, onde os esquis são colocados para fora da cabine.
  • Funiculair: Um pequeno e veloz trem, ou teleférico com cabine grande, que sobe longas distâncias e possui capacidade para transportar muitas pessoas.
Elevacao (2)

Ski-lift ou Poma

Elevacao (3)

Chairlift

Elevacao

Telecabine / Gôndola, ou bondinho

As pistas para esquiar são representadas por cores no mapa e sinalizadas nos meios de elevação, conforme a dificuldade.

Na América do Sul e Europa:

  • Verde: pista muito fácil
  • Azul: pista fácil
  • Vermelha: pista difícil
  • Preta: pista muito difícil

 

Mapa pistas (2)

Na América do Norte:

  • Círculo verde: iniciante
  • Quadrado azul: intermédio
  • Losango negro: difícil
  • Duplo losango negro: extremamente difícil

mapa pistas

 

Pista

Pista de treino

Pista (4)

Pista Verde – Iniciantes

 

Pista Azul - Intermediário

Pista Azul – Intermediário

Para esquiar não é preciso nenhum preparo físico, ou técnico (desde que tome aulas de esqui ou snowboard), mas é uma atividade que cansa e desidrata. Procure sempre beber água entre as descidas, lembrando que a água dos banheiros nas estações de esqui não são potáveis. Se alimentar bem também é importante, sempre inclua carboidratos nas refeições, chocolates também são boas fontes de energia.

Pista verde

Pistas fáceis para iniciar

Subindo mais..

Subindo mais..

Curtindo as belas paisagens do cume.

Curtindo as belas paisagens do cume.

Esqui

Pistas em Vulcões no Chile – Osorno em Puerto Varas

 

Para terminar, o clima nas estações de esqui é fascinante! Tudo é lindo: as paisagens, o colorido das roupas em contraste com o branco da neve, as pessoas, tudo muito envolvente, esquiar não é uma atividade barata, mas você vai perceber que, literalmente, “vale cada centavo”!

Vale cada centavo!

Vale cada centavo!

Na mala

  • Camiseta e calça térmica (para usar por debaixo das roupas)
  • Uma jaqueta grossa e calça impermeáveis que devem ser apropriadas para o esqui.
  • Luva térmica (para usar por baixo)
  • Luva impermeável
  • Dois fleeces: um mais pesado e outro leve
  • Meias para neve
  • Gorro / balaclava
  • Cachecol
  •  óculos de sol, protetor solar com alto fator de proteção e protetor labial.

Nós indicamos os produtos da marca Curtlo, que atendem esta lista, consulte o site:

Produtos femininos: http://www.curtlo.com.br/vestuario_tipo.asp?genero=Feminino Produtos Maeculinos: http://www.curtlo.com.br/vestuario_tipo.asp?genero=Masculino

Os vôos para a América do Sul normalmente permitem um ou dois volumes que juntos pesem 23 Kg / por pessoa, mas fique atento, pois nos vôos internos (caso não compre todas as passagens de ida e volta a partir do Brasil) permitem apenas 20 Kg.